Há alguns anos venho postando fotos nas redes sociais, das minhas casquinhas de laranjas cristalizadas.

Até já as coloquei em alguns posts, como nesta “Rosca de Laranja”.

Não achava que as pessoas apreciassem e se interessassem tanto. Foram muitas as vezes que me pediram, e pelo trabalho que dá, achava que não adiantaria fazer um post…

Mas , continuaram pedindo, e então resolvi compilar todas as fotos do passo-a-passo e explicar aqui esta delícia, que na minha versão, é bem “carnuda”, pois utilizo também a parte branca das cascas, e retiro o amargor com o processo de troca de águas.

Coloco as tirinhas numa tigela com água, e vou trocando por 2 dias

Bem, isso é que torna este docinho dos deuses um pouco trabalhoso. Mas garanto, e muito, que vale a pena. Até porque, às vezes compramos laranjas tão lindas, que dá um dó jogar as cascas fora.

Na minha versão, eu ralo levemente alguns pontos das cascas na laranja ainda inteira, para deixar o docinho mais macio, já que as cascas tendem a endurecer um pouquinho depois de secas e cristalizadas.

Preciso explicar aqui (muuuita gente me pergunta por que “laranja baía” pode ser importada?..)

No Brasil deram o nome de “laranja-baía” (sem a letra h, gente) para a internacionalmente conhecida como “navel orange”.

Navel em inglês quer dizer “umbigo”. Isto porque uma de suas extremidades pode lembrar um “umbigo”.

Corto primeiro cascas largas…… depois em tirinhas

Enfim, o nome laranja baía é apenas a mesma navel orange que encontra-se em vários países. As que encontramos aqui em São Paulo importadas, são ou da Espanha ou do Uruguai. Não só as cascas são de cor mais forte, mais “alaranjadas”, porém bem mais bonitas, sem aqueles pontinhos pretos. Os gomos são mais deliciosos também; mais doces e sabor mais intenso. É isso : )

… depois em tirinhas
Se quiser em cubinhos, pra recheios de roscas, depois das tirinhas, corte assim

Também prefiro passá-las no açúcar de confeiteiro porque o resultado é muito mais delicado do que com açúcar refinado (o comum). Mas pode fazer com qualquer um dos dois.

Também coloco um toque de suco de limão no momento de fervê-las na calda, para quebrar um pouco do doce e dar um “up” no palato.

Faço uma outra versão já em cubinhos (mostro em algumas fotos aqui), em épocas de fim de ano. Guardo bem, e substituo em grande parte por aquelas “frutas cristalizadas fake” que vendem por aí em cubinhos, e cuja a maioria é sem sabor, pois são feitas de cascas de mamão. Vocês não imaginam a maravilha de sabor cítrico que transformam-se os pães doces, roscas, bolos de frutas secas, rolls, pães de mel, e tudo mais!

Os cubinhos, depois de escorridos da última fervura (na calda), secam na assadeira

É tão bom a gente saber fazer um doce com qualidade, sem depender de ter que comprar, e muitas vezes pagar tão caro…

E garanto que essa laranjinha cristalizada, “carnuda” assim, nem existe à venda. Sou uma aficionada por doces assim, por isso sempre olho, compro, para provar. Por isso há muitos anos resolvi fazer as  minhas.

Aliás, meu primeiro post foi de rodelas de laranjas glaceadas – um processo parecido nas etapas, mas com uma finalização e recultados diferentes.

Inspiradas nas vitrines de uma das minhas lojas favoritas no mundo: a “Fortnum & Mason” de Londres.

Minhas Laranjas glaçadas – o primeiro post do blog!

São lindas e elegantes pra servir num chá, ou como complemento de um jantar.

Vejam aqui as Laranjas glaçadas em fatias.

Bem, com tudo isso, criou coragem? Vale a pena. Vamos lá!

 

Tempo de preparo, contando com tempo de secagem e cristalização: 3 a 4 dias

 

Ingredientes:

– 3 laranjas-baía (usei as importadas, cujas cascas são mais bonitas)
– 2 xícaras de açúcar
– 4 a 5 xícaras de água
– 1 colher (sopa) de suco de limão
– açúcar de confeiteiro ( se não tiver, pode usar o comum) para envolver as casquinhas

Preparo:

– Rale levemente algumas partes das cascas das laranjas inteiras. Não é para ralar a casca toda. É apenas para que algumas partes fiquem mais macias. Apesar da cor bonita, as cascas tendem a deixar o docinho mais endurecido após a secagem. Mas se quiser, pode fazer sem ralar. Eu já fiz.
– Sobre uma tábua de carne, corte as 2 extremidades de cada laranja.
– Apoie cada laranja sobre uma extremidade cortada e com uma faca afiada, corte as cascas no sentido com comprimento, procurando cortar também as partes brancas.
– Faça um acabamento nas cascas: com uma faquinha, corte as bordinhas irregulares, formando um “retângulo” com cada casca.
– Corte cada tira larga de casca, em tirinhas de app. 6 mm.
– Coloque todas as tirinhas em uma tigela com água que as cubra bem, e deixe na geladeira.
– Troque essa água 3 vezes ao dia, durante 2 a 3 dias.
– Após esse tempo, escorra essa água, e coloque as tirinhas numa panela com água fervente e deixe em fogo baixo por aproximadamente por 30 minutos. Escorra.
– Na mesma panela, coloque o açúcar, a água e o limão e leve ao fogo. Mexa até o açúcar dissolver. Quando começar a ferver, coloque as cascas fervidas previamente e deixe ferver em fogo brando por aproximadamente 1 hora ou até que a calda engrosse levemente e as cascas estejam macias.
– Passe por uma peneira com uma tigela por baixo. Guarde a calda que escorreu ,num vidro, na geladeira, para aproveitar em bolos, sorvetes, panquecas, etc.
– Depois de drenadas as casquinhas, espalhe-as numa assadeira de preferência forrada com uma folha de silicone. Se não tiver, pode ser numa assadeira de teflon.
– Deixe “secando” por aproximadamente 24 horas, num ambiente interno, porém arejado. Vire as casquinhas a cada 3 horas.
– No dia seguinte, polvinhe bastante açúcar de confeiteiro por cima das casquinhas, e com as mãos, envolva-as nesse açúcar. Pode ser açúcar comum, porém o de confeiteiro as deixam mais delicadas e não tão doces.
– Deixe novamente secando, envolvidas no açúcar. Dê preferência a uma superfície onde entre sol, pois ele ajuda rapidamente no processo de cristalização.
– Esse tempo dependerá da umidade do ar. Em cidades muito úmidas, se não tiver sol, é provável que seja necessário deixá-las por um dia a mais, e ainda assim, uns 30 minutos no forno previamente aquecido em temperatura bem baixa – e desligado), para finalizar a cristalização (depois de todas essas etapas cumpridas).
– Quando estiverem sequinhas, retire o excesso de açúcar e guarde-as num vidro hermético, na geladeira. Duram até cerca de 30 dias assim.

==========

Dicas da Lena:

– Se quiser dobrar a receita, será ótimo. Eu recomendo. O único tempo a mais será no momento do corte das cascas. Mas vale a pena.
– No freezer pode guardar até 3 meses.
– Sirva com café, chá, ou decore bolos de laranja, pães doces, pudins, crepes.

 

Print Friendly, PDF & Email